Diferenciais Estratégicos | Empresas duradouras são aquelas que reaprendem

Diferenciais Estratégicos | Empresas duradouras são aquelas que reaprendem

Ao analisar a importância de Descartes para a filosofia moderna, o filósofo inglês Roger Scruton, destacou o empenho do pensador seiscentista na elaboração de uma fórmula que permitisse a sustentação segura de uma verdade e que ela pudesse ser auto verificável. O resultado desse estudo foi a máxima Cogito ergo sum, a famosa "Penso, logo existo".

Descartes estava determinado a dar uma resposta segura a uma sentença que o perseguia, expressa mais ou menos assim: "Só posso ter certeza daquilo que não posso duvidar". Scruton explica que a máxima alcançou de fato o objetivo almejado. Tanto é que nem mesmo seus contestadores conseguiram negá-la. Até aqueles que se negavam a aceitar o "penso" eram obrigados a pensar, confirmando a premissa original.

O austríaco Peter Drucker, contemporâneo considerado pelos executivos como o mestre dos mestres em gestão empresarial, lançava mão de uma máxima perturbadora, também auto verificável, que pode ser entendida como a força motriz de todas as suas teses sobre a sobrevivência das empresas: O sucesso de ontem não garante o sucesso de amanhã.

Ao contrário de Descartes, ele não convidava nenhum empresário para desafiar tal evidência sob o risco de virar cinzas.

Fica explícito em Drucker que sua filosofia bebeu em fontes cartesianas e seguiu pelos desdobramentos do pensamento moderno, já que uma empresa que não pensa corre o risco de não existir, ou ter vida tão breve exatamente por se negar a pensar. Seria como se ela apostasse que o sucesso de hoje fosse a garantia do amanhã. Ou melhor, que seu nascimento fosse a garantia de sua existência. Como Descartes, o filósofo austríaco não admitia o "sum" separado do "cogito".

A relação entre ambos para aqui, ou não. O fato é que com base em sua premissa, Drucker estruturou um universo corporativo que se desenvolve como um organismo vivo, integrado a um grande sistema. Toda empresa nasce para atender a uma demanda real ou criada e precisa cumprir com seu objetivo da melhor forma possível, respeitando sempre as orientações da sociedade. Ao desenhar o processo de trabalho interno, dividido em setores, o gestor não pode jamais desligar essa linha dos canais externos, que garantem oxigênio à empresa.

Porque a demanda evolui, como consequência dos avanços tecnológicos e das necessidades humanas. O mundo, pelo bem ou pelo mal, pensa e se transforma. As crises, como esta que estamos enfrentando, são avassaladoras. A empresa que não estiver em sintonia com o todo, em especial com as exigências dos seus consumidores e fornecedores, vai aos poucos perdendo a vitalidade até ser eliminado da grande máquina como uma peça desnecessária ou que precisa ser substituída. Muitas vezes essa peça já foi substituída pela concorrência e seus responsáveis sequer perceberam isso.

Mudando o enfoque, para efeito de comparação, podemos usar a fábula do sapo vivo que foi colocado na panela quando a água ainda estava fria. A água foi esquentando e o animal, ao invés de perceber o perigo e reagir, achou tudo muito normal. Seu corpo foi se ajustando à alta temperatura até que morreu cozido. As empresas, ao se ajustarem a uma determinada condição, sem perceberem o ambiente externo, podem estar na situação do sapo e acabar esturricadas até à morte.

Para superar armadilhas dessa natureza, os sensores da empresa precisam estar alinhados ao tempo presente, vislumbrando o futuro. Quem dá a medida de sua eficiência é o mercado, que exige sempre os melhores serviços e produtos pelos melhores preços ou custo/benefício. O gestor, nessa engenharia, precisa ter o ferramental para orquestrar sua equipe e tirar dela o melhor. Precisa estar sempre atento ao processo produtivo para evitar perdas de qualquer natureza. Precisa acompanhar a evolução tecnológica e forçar sempre para o ponto de equilíbrio entre a inovação e o que dita o mercado.

No Brasil não há outro caminho que leve a essa condição se não transformar a empresa em uma escola.

Sim. Gestores e colaboradores devem dialogar permanentemente com todos os dados possíveis em mãos emitidos pelos indicadores e analisarem os resultados.

Precisam estar atentos a todos os problemas internos que possam significar descompassos e corrigi-los. Os ajustes possíveis devem se dar em tempo real. Estamos falando do trabalho coletivo de pensar a empresa para que ela continue a existir. Do trabalho de pensar a empresa para que o sucesso de hoje perdure e se renove, garantindo sua sobrevivência no amanhã.

Moedas - 26/05/2020 09:39:35
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 5,373
  • 5,375
  • Paralelo
  • 4,900
  • 5,660
  • Turismo
  • 5,340
  • 5,670
  • Euro
  • 5,890
  • 5,896
  • Iene
  • 0,050
  • 0,050
  • Franco
  • 5,558
  • 5,562
  • Libra
  • 6,627
  • 6,631
  • Ouro
  • 304,420
  •  
Mensal - 04/03/2020
  • Índices
  • Jan/20
  • Dez/19
  • Inpc/Ibge
  • 0,19
  • 1,22
  • Ipc/Fipe
  • 0,29
  • 0,94
  • Ipc/Fgv
  • 0,59
  • 0,77
  • Igp-m/Fgv
  • 0,48
  • 2,09
  • Igp-di/Fgv
  • 0,09
  • 1,74
  • Selic
  • 0,38
  • 0,37
  • Poupança
  • 0,05
  • 0,05
  • TJLP
  • 5,09
  • 5,57
  • TR
  • -
  • -
  • 28/Maio/2020 – 5ª Feira.
  • ICMS | DeSTDA – Declaração de Substituição Tributária, Diferencial de Alíquota e Antecipação.

Busca de endereço na internet